27 maio 2004

Tadinhas das Vacas: estórias de um ministro louco




Surpreendeu muita gente a demissão, a meio da noite, do ministro do Ambiente, Amilcar Theias. Durão não diz porquê e deduzo que também ninguém está interessado em saber. Mas quem veio a seguir? Arlindo Cunha. Este soa a alguma coisa?
Sim! Este senhor foi o borrego (coitados dos animais) que, quando ministro na era do cavaquistão, depois de ter recebido informações dos laboratórios que davam conta da entrada em Portugal da doença das vacas loucas pôs a cabeça na areia e durante quatro anos! escondeu a referida informação. Conclusão: maior epidemia e crise no sector dos últimos 50 anos.
Mai nada Durão, grande nomeação!

24 maio 2004

Miguel Portas na vanguarda da vanguarda



Ainda dizem que já não há leninistas! Quem viu ontem a entrevista de Miguel Portas na RTP2 sabe que não é assim, e não é um leninista qualquer, é um daqueles da vanguarda, daqueles que dá voz ao proletariado, mas claro, em versão pós-moderna.
Então não é que o rapaz quer ser "a voz dos movimentos sociais no parlamento europeu", mais concretamente "a ponte" entre os que estão na rua a lutar por outra globalização e os borucratas de Bruxelas.
Meu caro amigo, o movimento social não precisa de nenhum partido para se fazer ouvir, essa é, aliás, uma decisão de todos os fóruns sociais, e muito menos de uma vanguardazeca como o BE, para se sentar no parlamento, porque o movimento nunca deu mostras de se querer sentar em tais cadeiras.
Cabe perguntar: Quem é que lhe deu o mandato para ser a voz do movimento social? O que é no seu entendimento MOv. Social? Como é que ainda há quem vote nele?
Ficamos à espera que este patético oportunismo do Portas não se repita nas legislativas: já estou a ver o Louçã a dizer que o BE será a voz do Fórum Social Português na Assembleia da República (ou no Governo?).

22 maio 2004

Amor Eterno




"Os interesses do Capital e dos trabalhadores são os mesmos: os da pátria". Salazar

Numa altura de crise do Governo da direita, cada vez mais verdadeira que anunciada, a UGT (com o PS mais perto do poder?) começa a regressar aos bons velhos tempos da concertação. Mas desta vez trata-se de uma aliança verdadeiramente esclarecedora...
Falamos da Confederação dos Industriais Portugueses (CIP). Os senhores sindicalistas, em tons cada vez mais amarelados,. querem mesmo chegar a um acordo, relativamente a propostas para o "desenvolvimento e crescimento de Portugal" com os referidos patrões dos patrões.
A concertação visa mostrar ao Governo os "interesses dos trabalhadores" e do capital a uma só voz, através das propostas.
João Proença ainda diz que "é difícil conciliar as propostas" das duas estruturas mas assegura que vai "fazer tudo por tudo para dar certo".
Mais, os ditos senhores estão empenhados em que este pacto, conjunto das propostas, seja assinado por todos os parceiros sociais. O Carvalho da Silva lá lhes dirá a sua opinião: um grande manguito.

21 maio 2004

Madona ... mais uma vez



Mais uma vez Madona não se rende, nem se vende à fama fácil. Re-Invention é o lema da sua próxima digressão mundial que mais uma vez vai procurar pôr o dedo em algumas feridas. Desta vez, o lesbianismo, a pena de morte,a guerra e a pobreza são os temas escolhidos pela polémica cantora.
Do alinhamento da digressão constam simulações de sexo em palco entre Madona e outra mulher e de uma electrocução numa cadeira eléctrica. Em Re-Invention a cantora promete ainda fazer desfilar grávidas. Por fim cantará "Imagine" de Lennon, enquanto nas suas costas serão projectadas em tela imagens de crianças subnutridas.
Numa só digressão, Madona dará, assim, estaladas a homofóbicos, homens da guerra, exploradores do terceiro-mundo e à hipocrita justiça norte-americana.